Páginas

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

A RAÇA HUMANA





LETRA DE "A RAÇA HUMANA' DE GILBERTO GIL


A RAÇA HUMANA É
UMA SEMANA
DO TRABALHO DE DEUS

        
A RAÇA HUMANA É A FERIDA ACESA
UMA BELEZA, UMA PODRIDÃO
O FOGO ETERNO E A MORTE
A MORTE E A RESSURREIÇÃO

    
A RAÇA HUMANA É O CRISTAL DE LÁGRIMA
DA LAVRA DA SOLIDÃO
DA MINA, CUJO MAPA
TRAZ NA PALMA DA MÃO

A RAÇA HUMANA RISCA, RABISCA, PINTA
A TINTA, A LÁPIS, CARVÃO OU GIZ
O ROSTO DA SAUDADE
QUE TRAZ DO GÊNESIS
DESSA SEMANA SANTA
ENTRE PARÊNTESES
DESSE DIVINO OASIS
DA GRANDE APOTEOSE
DA PERFEIÇÃO DIVINA
NA GRANDE SÍNTESE

A RAÇA HUMANA É
UMA SEMANA
DO TRABALHO DE DEUS
A RAÇA HUMANA É
UMA SEMANA
DO TRABALHO DE DEUS




sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Poema de Olguinha Costa





Um lindo poema da amiga Olguinha Costa. Ela tem uma página no Recanto das Letras.




INDIGENTE



EU PERCEBO 
 A MUITO TEMPO
NUVENS ESPESSAS
 QUE MUDARAM TUDO

MUDARAM MUROS
E ATÉ CÉUS
MUDOU A CIDADE
QUEM SABE ATÉ DEUS"

PERCEBI A QUILÔMETROS
QUE TUDO ESTÁ MODIFICADO
QUE AS FAMÍLIAS MUDARAM
CAMINHOS ERRARAM


TUDO AO LONGE SECOU
HOJE ESTOU DIFERENTE
NEM SEI QUEM SOU
PEITO INDIGENTE
AO LÉU FICOU


ENTÃO CONCLUO 
POR TUDO QUE ACONTECE
MORRI NAQUELA ÉPOCA
E A  MÚMIA DE MIM APARECE
PELOS CANTOS DA TERRA


NÃO , NÃO TEM MAIS JEITO
INFELIZMENTE,
MEU CORAÇÃO SAIU DO PEITO
ME DEIXANDO SEM SEMENTE


NÃO IGNORO AS DORES
NEM TENTATIVAS
MAS, NÃO ESPERE
IMPLODIRAM-ME OGIVAS

E POR MAIS QUE EU QUISESSE
NÃO CONSEGUIRIA JAMAIS ...

TUDO QUE FOMOS
FICOU NO TEMPO LÁ ATRÁS

MELHOR GUARDAR
O QUE POR ACASO SOBROU
ALGUMAS CARTAS AMARELAS
E (FALSAS) JURAS DE AMOR


DEIXA COMO ESTÁ...

NOS SONHOS DA NOITE
ONDE NÃO POSSO COMANDAR
É CONTIGO QUE EU SONHO
E FICA DIFÍCIL ACORDAR


EU PERCEBI
 A MUITO TEMPO

EU PREFERI NEM NOTAR
TUDO TEM SEU PRÓPRIO TEMPO
NÃO TEM COMO FAZER VOLTAR ...







terça-feira, 9 de setembro de 2014

Matsuo bashô - Criador do Haikai

Portrait-of-Basho-Watanabe-Kazan-detail-




Matsuo Bashô (1644-1694) foi o criador do haikai.





Matsuo Bashô nasceu em 1644, na pequena cidade de Ueno, na província de Iga e faleceu em Osaka, em 1694. O seu nome de nascimento era Matsuo Kinsaku, mas, muitos anos depois, quando já era um conhecido poeta, mestre na sua arte, adotou o pseudônimo de Bashô, agradecido aos seus discípulos que tinham plantado uma bananeira de jardim (bashô) junto da sua modesta habitação. A vida de Bashô foi uma permanente caminhada em busca do conhecimento e do contacto com a Natureza, procurando atingir a perfeição na expressão poética, tendo conferido grande beleza e dignidade literária ao gênero poético designado haiku ou haikai. Este gênero poético continua na linha da poesia tradicional japonesa. É um dos mais notáveis géneros poéticos da literatura universal e, possivelmente, aquele que apresenta a forma de expressão mais breve e concisa. Cada poema é constituído por dezassete sílabas métricas distribuídas por versos ou segmentos de 5-7-5 sílabas. Teve origem numa forma poética mais antiga, o tanka, que é constituído por trinta e uma sílabas distribuídas por cinco versos de 5-7-5-7-7 sílabas métricas.



Algumas de suas criações, traduzidas:


Nesta noite
ninguém pode deitar-se:
lua cheia.


E tu, aranha
como cantarias
neste vento de outono?


Relvas de verão
sob as quais os guerreiros
sonham.





Extingue-se o dia
mas não o canto
da cotovia


Quimonos secando
ao sol. E a pequena manga
da criança morta.


De tantos instantes
para mim lembrança
as flores de cerejeira.





Ruídos nas ramas.
Trêmulo, meu coração detem-se
e chora na noite...


Mesmo um velho cavalo
é belo de manhã
sobre a neve


Do orvalho
nunca esqueça
o branco gosto solitário





A cigarra... ouvi:
nada revela em seu canto
que ela vai morrer


Já é primavera:
Uma colina sem nome
Sob a névoa da manhã.



Outono já frio; 
eu penso no meu vizinho -
como viverá? 



sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Saint Exupéry - Um poema, frases e pensamentos






Um Poema, frases e pensamentos de Antoine de Saint-Exupéry




O Pequeno Príncipe 


Menino pequeno, perdido no mundo 
sozinho e cercado de imagem e ilusão, 
vagando, vagando sem número e data, 
descobre a verdade no meio do chão. 

Descobre na terra, de olhos pr'o ceu, 
pequeno menino perdido e sozinho, 
reinados de estrelas, de sóis e de flores, 
poemas ficados na cruz de um caminho. 

Menino pequeno, sozinho encontrou 
prazer escondido de olhar e sonhar 
viver e cantar, beijar e reinar, 
deitar e chorar, num berço de ar 

Menino tão só, perdido e pequeno 
que veio do ceu, que acaba no mar, 
com um sopro retira, do chão, essa gente 
e ensina que é fácil ter asa e voar 

Menino sozinho, no mundo perdido 
Menino perdido, pequeno e querido.



"Os homens compram tudo pronto nas lojas... Mas como não há lojas de amigos, os homens não têm amigos."



"A ordem não cria a vida."





"A grandeza da oração reside principalmente no fato de não ter resposta, do que resulta que essa troca não inclui qualquer espécie de comércio."






"Conhecer não é demonstrar nem explicar, é aceder à visão."



François (mais novo) e o irmão Jean na companhia de Exupéry em agosto de 1940, em Agay, na França. Quatro anos depois, o avião que o escritor pilotava caiu ...



"É o espírito que conduz o mundo e não a inteligência."






"Há vitórias que exaltam, outras que corrompem; derrotas que matam, outras que despertam."





"Aqueles que passam por nós não vão sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós."



"Os homens cultivam cinco mil rosas num mesmo jardim e não encontram o que procuram. E, no entanto, o que eles buscam poderia
ser achado numa só rosa."









A Rosa do "Pequeno Príncipe" é inspirada em sua esposa. Sua infidelidade e dúvidas acerca do casamento são simbolizadas através do canteiro de rosas que o Pequeno Príncipe encontra na Terra. -fonte: culturacolectiva.com







domingo, 31 de agosto de 2014

FRANCISCO DE QUEVEDO

Francisco de Quevedo



Nascimento: 14 de Setembro de 1580

Morte: 8 de Setembro de 1645 (64 anos)

Ocupação: Político

Biografia: Francisco Gómez de Quevedo y Santibáñez Villegas foi um escritor do século de ouro espanhol.

Também conhecido(a) como: Francisco Quevedo
Fonte: KDP FRASES




“A soberba nunca desce de onde sobe, mas cai sempre de onde subiu.” 




“Quem recebe o que não merece, poucas vezes o agradece.” 


“O insulto é a razão de quem não tem razão.” 


“Feliz serás e sábio terás sido se a morte, quando vier, não te puder tirar senão a vida.” 


“Quem julga pelo que ouve e não pelo que entende, é orelha e não juiz.” 


“É muito difícil conhecer o coração dos homens pelas suas palavras.”


“São curtos os limites que separam a resignação da hipocrisia.” 


“A inveja é assim tão magra e pálida porque morde e não come.” 


“O espírito que pensa no que pode temer, começa a temer o que começa a pensar.” 


“Causam menos danos cem delinquentes do que um mau juiz.” 


“Cada homem é uma variedade da sua espécie.”


“Pode haver punhalada sem lisonja, mas não lisonja sem punhalada.” 


“As culpas da casa alheia todos as acreditamos; as da própria poucos as vêem pouco, porque têm nos olhos todas as vigas dos tectos.”