Páginas

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Sobre a Guerra





Trechinho do livro "Uma Ponte para Terebin", de Letícia Wierzchowski, que fala sobre o que sente alguém que vê seu país entrar em guerra. Tocante!




"...Assim, por causa disso, de uma esperança que não se extinguia, nós ficamos. O tempo andou muito rápido até aquele 1 de setembro; e então, subitamente, pareceu que a roldana das horas enguiçava, e a vida parou. Congelou-se: cada segundo se arrastando por uma eternidade. Li certa vez  em algum livro que o tempo para as desgraças é um tempo distinto. Quando os alemães invadiram a nossa terra, pude comprovar que tal frase era absolutamente verdadeira. Ninguém pode medir com precisão o tempo de uma desgraça. O instante gasto para a compreensão verdadeira de que algo irreversível aconteceu. Nenhum relógio é capaz de mensurar esse instante de pânico, a aflição extrema.




Naquela madrugada, a vida mudou para sempre. Ah, sim, tínhamos vivido outras guerras, outros medos... Um sem fim de madrugadas. Mas na minha vida, na vida do meu pai e do pai dele, sempre um fio de humanidade, um resto de esperança podia ser conservado - atrás do terror e da destruição, além da pátria dividida, ainda havia um futuro. A invasão de Hitler não nos deixou nem isso."

....................




"Cidades e aldeias foram bombardeadas e queimadas. Vivíamos perto da fronteira ao sul, mas, por um milagre, Terebin escapou ilesa. Os que fugiram, esses foram mortos nas estradas. Mas nós ficamos em casa. Fechados. No escuro. Dava para ouvir o barulho dos aviões. A Luftwaffe inteira sobre  nossas cabeças... E o medo. O medo atrasando os ponteiros do relógio. Congelando o sangue nas veias."


sábado, 23 de agosto de 2014

Dercy Gonçalves




Alguns pensamentos de Dercy Gonçalves dos quais compartilho


"Palavrão, meu filho, é condomínio, palavrão é fome, palavrão é a maldade que estão fazendo com um colírio custando 40 mil réis, palavrão é não ter cama nos hospitais"



"Não tenho ódio nem amor, sou livre e não tenho medo de nada, porque sou boneca de pano com macela por dentro. Qualquer "desastre", a Tia Anastácia me faz outra".


"Quando nós morremos, a energia que temos para viver, fica à vontade da natureza."



“Por maior que seja o buraco em que você se encontra, pense que, por enquanto, ainda não há terra em cima.”



"Na vida tudo é um jogo. Perde ou ganha. Até no amor. Mãe pra filha, marido 
pra mulher, tudo é interesse: se eu não te dou você também não me dá." 



"Hoje a cidade me aplaude. Até museu fizeram para preservar a minha história."





terça-feira, 19 de agosto de 2014

Um pouquinho sobre Graça Aranha





"Aquele que transforma em beleza todas as emoções sejam de melancolia, de tristeza, prazer ou dor, vive na perfeita alegria." -  Graça Aranha






José Pereira da Graça Aranha nasceu no dia 21 de junho de 1868, no Maranhão.

Cursou Direito em Recife e foi trabalhar como juiz no Rio de Janeiro e no interior do Espírito Santo. Em 1902 publicou o romance Canaã e viajou durante 20 anos percorrendo a Europa, onde teve contato com os rumos que a arte moderna passou a tomar.

Apoiador dos novos rumos artísticos modernistas, Graça Aranha participou da Semana de Arte Moderna, ocorrida em fevereiro de 1922, em São Paulo. Na ocasião, foi o responsável pelo discurso inicial. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras em 1897, porém, não havia publicado nenhuma obra.

Sua importância literária se deve à publicação de um livro: o romance, já citado, "Canaã". Uma característica pré-modernista desse livro é o regionalismo. Trata-se do retrato da vida de uma comunidade de imigrantes alemães que vivem no Espírito Santo. A história reflete dois pensamentos distintos através de dois personagens característicos: Milkau (o qual procura encontrar a terra prometida, ou seja, Canaã, no Brasil) e Lentz (que acredita na superioridade germânica).

Vejamos um trecho da obra “Canaã” de Graça Aranha:

Lentz
- Mas o que se tem feito é quase nada, e ainda assim é o esforço do europeu. O homem brasileiro não é um fator do progresso; é um híbrido. E a civilização não se fará jamais nas raças inferiores. Vê, a história...

Milkau
Os seres são desiguais, mas, para chegarmos à unidade, cada um tem que contribuir com uma porção de amor. O mal está na força...



Fonte: site Brasil Escola




segunda-feira, 11 de agosto de 2014

FREUD



Alguns pensamentos de Sigmund Freud


"A felicidade é um problema individual. Aqui, nenhum conselho é válido. Cada um deve procurar, por si, tornar-se feliz."


"Como fica forte uma pessoa quando está segura de ser amada!"


"Se quiseres poder suportar a vida, fica pronto para aceitar a morte."


"Nenhum ser humano é capaz de esconder um segredo. Se a boca se cala, falam as pontas dos dedos."


"Nós poderíamos ser muito melhores se não quiséssemos ser tão bons."



"Onde abundam as dores brotam os licores."



"O instinto de amar um objeto demanda a destreza em obtê-lo, e se uma pessoa pensar que não consegue controlar o objeto e se sentir ameaçado por ele, ela age contra ele."


"Um dia, quando olhares para trás, verás que os dias mais belos foram aqueles em que lutaste."



terça-feira, 5 de agosto de 2014

POEMA SUJO

Ferreira Gullar



Poema Sujo
(Ferreira Gullar)

turvo turvo
a turva
mão do sopro
contra o muro
escuro
menos menos

menos que escuro
menos que mole e duro
menos que fosso e muro: menos que furo
escuro
mais que escuro:
claro
como água? como pluma?
claro mais que claro claro: coisa alguma
e tudo
(ou quase)
um bicho que o universo fabrica
e vem sonhando desde as entranhas
azul
era o gato
azul
era o galo
azul
o cavalo
azul
teu cu
tua gengiva igual a tua bocetinha
que parecia sorrir entre as folhas de
banana entre os cheiros de flor
e bosta de porco aberta como
uma boca do corpo
(não como a tua boca de palavras) como uma
entrada para
eu não sabia tu
não sabias
fazer girar a vida
com seu montão de estrelas e oceano
entrando-nos em ti
bela bela
mais que bela
mas como era o nome dela?
Não era Helena nem Vera
nem Nara nem Gabriela
nem Tereza nem Maria
Seu nome seu nome era…
Perdeu-se na carne fria
perdeu na confusão de tanta noite e tanto dia

(Trecho de Poema Sujo, de Ferreira Gullar).