quinta-feira, 29 de agosto de 2013

O Retrato de Dorian Gray



Trechos de "O Retrato de Dorian Gray", de Oscar Wilde

Tradução: Ana Bailune

"A diversidade de opiniões sobre um trabalho de arte mostra que o trabalho é novo, complexo e vital. Quando os críticos discordam, o artista está de acordo com ele próprio. Podemos perdoar um homem por fazer algo útil, contanto que ele não o admire. A única desculpa para fazer algo inútil é que o admiremos intensamente. Toda a arte é totalmente inútil."





"Há apenas uma coisa no mundo pior do que ser falado, e ela é não ser falado."




"Escolho meus amigos através de sua aparência, meus conhecidos por seu bom caráter e meus inimigos por seu bom intelecto."




"Um artista deveria criar coisas bonitas, mas não deveria colocar nada de si mesmo em suas criações. Vivemos em uma época em que o homem trata a arte como se ela fosse uma forma de autobiografia. perdemos o senso abstrato da beleza."



"Em nosso esforço selvagem pela sobrevivência, queremos ter algo que dure, e então enchemos nossas mentes com lixo e fatos, na tola esperança de manter nossa posição."




"O homem completamente bem informado é algo terrível. É como uma loja de refugos, toda cheia de monstros e de poeira, com todos os artigos acima do seu devido valor."



"Hoje em dia, as pessoas sabem o preço de tudo, mas não sabem o valor de nada."




"Há muitas coisas que jogaríamos fora se não tivéssemos medo de que outros pudessem pegá-las."




Sobre conselhos: "As pessoas gostam muito de doar o que eles mesmos mais necessitam. É o que eu chamo de profundidade da generosidade."




"Os bons artistas existem simplesmente naquilo que eles fazem, e consequentemente, estão perfeitamente desinteressados no que eles são. Um grande poeta, um realmente grande poeta, é a menos poética de todas as criaturas. Mas poetas inferiores são fascinantes. Quanto piores forem as suas rimas, mais pitorescos eles se parecem. O mero fato de terem publicado um livro de sonetos de segunda classe faz com que um homem se torne irresistível. Ele vive a poesia que não pode escrever. Os outros escrevem a poesia que não podem realizar."



"Experiência não representa nenhum valor ético. É apenas o nome que os homens dão aos seus erros."




terça-feira, 27 de agosto de 2013

Fábulas Chinesas - Esperando um Coelho / O Pássaro de Nove Cabeças





Duas fábulas do livro Fábulas Chinesas, de Sérgio Cappareli & Márcia Schmaltz









Esperando um Coelho


No reino de Song existia um camponês que tinha uma árvore dentro de sua propriedade. 

Ele não gostava de arar a terra e mantinha a esperança de que caísse do céu alguma coisa boa. Um dia, enquanto estava lavrando, viu um coelho que vinha correndo afoito, e, não conseguindo parar, bateu no tronco da árvore, quebrou o pescoço e morreu.

O camponês ficou feliz da vida, pois não precisou fazer nenhum esforço para conseguir um coelho para comer. Decidiu então não trabalhar mais, ficando embaixo da árvore à espera que outro coelho fizesse a mesma coisa.

Passaram-se muitos dias e nada de um coelho afoito correr na direção da árvore. As pessoas começaram a rir dele, dizendo que era um folgado, nessa espera por um coelho.

Uma boa oportunidade deve ser aproveitada, mas não fique de braços cruzados esperando a sorte.











O Pássaro de Nove Cabeças

No monte Nieyao existia um pássaro de nove cabeças. Quando uma cabeça queria comer, as oito restantes disputavam com ela a comida. Elas lutavam, bicando-se mutuamente e ensopando de sangue as penas. No fim, as nove cabeças estavam machucadas e o pássaro não havia conseguido comer nada.

Um pássaro marinho, assistindo à cena, começou a rir:

-Não percebem que a comida que entra pelas nove bocas enche a mesma barriga? Não há razão para que nove cabeças vivam brigando umas com as outras!





quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Para Ser Escritor




Trechinhos do livro de Charles Kiefer, Para Ser Escritor




"Literatura é solidão, a mais profunda, a mais espessa e ampla solidão. Literatura é avareza, é retenção, é polução sem objeto."





"O mundo passaria muito bem sem escritores nem literatura. Não será por isso que os escritores são tão mesquinhos, autocentrados e vaidosos? Escritores não leem outros escritores. E quando leem, fazem de conta que não leem. Para não admitir  que gostaram, que ficaram admirados, que gostariam de ter escrito aquilo que leram...Os mais inteligentes, os que sabem que, se o vaidoso soubesse o quanto é ridículo, seria humilde por orgulho, admiram os mortos e especialmente os mortos estrangeiros... Alguns escritores, não suportando mais a insignificância do seu fazer, optam pelo silêncio, pela reclusão, pela aventura na África.
Outros que ainda acreditam que a palavra tem poder, que ainda são capazes de suportar o desprezo das legiões de não leitores, vão se transformando em seres amargos e irônicos. Falam mal de tudo e de todos, principalmente, do Paulo Coelho. E ainda escrevem crônicas depressivas como esta."





"Não é digno de ser chamado de escritor aquele que não dedicar à Fênix parte de  sua produção, especialmente aquela que já nasceu morta. E ensinará que é do fogo e das cinzas da obra desvitalizada que virá a energia necessária para outra obra possível, aquela com frescor de banho e riso de bebê, aquela que se agitará como uma serpente no gramado e que será capaz de mesmerizar até o leitor mais desatento."




"... escritor somente é escritor quando menos é escritor, no instante mesmo em que tenta ser escritor e escreve. Na absoluta solidão de seu ofício, enquanto a mente elabora as frases e a mão corre para acompanhar-lhe o raciocínio, é  escritor. Nesse espaço, entre o pensamento e a expressão, vibra no ar um ser sutil, fátuo e que, terminada a frase, concluído o texto, se evapora. Nesse átimo, o escritor é escritor. Aí e somente aí. Depois, já é o primeiro leitor, o primeiro crítico de si mesmo e não mais escritor."




"...O autor, ao contrário do escritor, corre rapidamente em direção a outra mutação - transforma-se no profissional de literatura, no cronista, no contista, no romancista. E este, esquecido de sua origem e de sua completa inutilidade, alienado e vencido, organiza sessões de autógrafos, faz palestras e contrata assessores de imprensa. Aos poucos, enfim, o autor, auxiliado por esses profissionais competentes, vai matando o  escritor, fazendo-o esquecer-se de que escrever e sonhar são uma coisa só e que se esgotam no próprio devir. Às vezes, num gesto desesperado, para livrar-se dessa morte anunciada, o escritor apanha uma espingarda de caça e explode a cabeça dos três."





quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Yo-Yo Ma: Um Músico Grandioso!



Yo-Yo Ma - Quem ainda não conhece, precisa conhecer!


Yo-Yo Ma nasceu na França numa família de origem chinesa com forte influência musical. Sua mãe, Marina Lu, era cantora, e seu pai, Hiao-Tsiun Ma, era maestro e compositor. Ma começou estudando violino e depois viola, antes de se interessar pelo violoncelo, instrumento que começou a manipular aos quatro anos de idade, com seu pai. Depois de um primeiro concerto em Paris, aos seis anos de idade, a família de Ma se muda para Nova Iorque.

Ma era uma criança prodígio, tendo aparecido na televisão norte-americanda com oito anos de idade, em um concerto conduzido por Leonard Bernstein. Ele entrou para a Julliard School (na qual tinha aulas com Leonard Rose), e passou um semestre estudando na Universidade de Columbia antes de se matricular na Universidade de Harward, mas se questionava sobre se valeria a pena continuar a estudar até que, nos anos 70, o estilo de Pablo Casalso inspirou.



Retorna à França para tocar com a Orquestra Nacional da França e com a Orquestra de Paris, sob a direção de Myung-Whun Chung.

Já desde sua infância e adolescência, Ma possuia uma fama bastante estável e havia tocado com algumas das melhores orquestras do mundo. Suas gravações e interpretações das Suites para violoncelo solo de Johann Sebastian bach são particularmente aclamadas.
Vida adulta e carreira.

Em 1978, Ma se casou com a violinista Jill Hornor. Eles têm dois filhos, Nicholas e Emily. Sua irmã mais velha, Yeou-Cheng Ma, também nascida em Paris, é violinista e junto com Yo-Yo coordena um projeto chamado Children's Orchestra Society (COS) em Long Island, nos EUA.


Atualmente, Ma toca com o Silk Road Project, que visa juntar músicos de vários lugares do mundo de países pelos quais passava a histórica Rota da Seda

Conforme anúncio do secretário geral das Nações Unidas, Kofi Anan c em janeiro de 2006 Ma se uniu à lista dos embaixadores da paz da OU, a exemplo de vários outros músicos, como o tenor Luciano Pavarotti e o jazzista Wynton Marsalis.


O principal instrumento de performance de Yo-Yao Ma é o Petúnia, feito por Domenico Montagnana em Veneza em 1733. Esse instrumento já foi esquecido no banco traseiro de um táxi em Nova York, mas mais tarde reencontrado ileso.


Outro violoncelo usado por Ma é o stradivarius Davidov, tocado anteriormente por Jacqueline du Pré e arrematado por Ma pelo valor de um milhão de dólares, após a morte de sua antiga dona. Du Pré já havia expressado sua frustração com a imprevisibilidade daquele violoncelo, enquanto Ma associa isto ao estilo passional de du Pré ao tocar e diz que esse cello necessita ser domado por seu intrumentista. Até pouco tempo atrás, esse cello era utilizado apenas para a execução de música barroca . Ma também possui um violoncelo de fibra de carbono, criado por Luis & Clark.




Yo-Yo Ma é habitualmente citado pela crítica como o "o mais omnívoro de todos os cellistas" e de fato possui um repertorio muito mais eclético do que é esperado para um instrumentista erudito.

Fonte: WIKIPEDIKA


segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Raul de Leoni - Legenda dos Dias





Legenda dos Dias - Poema de Raul de Leoni ( do livro Luz Mediterrânea, publicado em 1922 quando o autor contava 27 anos. Raul de Leoni faleceu aos 31 anos, de tuberculose).





O homem desperta e sai a cada alvorada
Para o acaso das cousas... E, à saída,
Leva uma crença vaga, indefinida,
De achar o ideal nalguma encruzilhada...

As horas morrem sobre as horas... Nada!
E ao poente, o homem com a sombra recolhida,
Volta, pensando: "Se o ideal da vida
Não veio hoje, virá na outra jornada..."

Ontem, hoje, amanhã, depois e assim,
Mais ele avança, mais distante é o fim,
Mais se afasta o horizonte pela esfera;

E a vida passa... efêmera e vazia:
Um adiamento eterno que se espera,
Numa eterna esperança que se adia...



Raul de Leoni nasceu e morreu no Rio de Janeiro (1895-1926).


sexta-feira, 9 de agosto de 2013

OBRIGADO, MEU PAI - Uma Carta




Obrigado, Meu Pai - texto de Jorge Chammas Neto





Meu querido pai, meu companheiro e amigo, meu ídolo: hoje não vou vê-lo nem abraçá-lo, como fazia todos os anos neste dia especial. Não lhe comprarei o presente tradicional e não verei o seu sorriso bondoso de agradecimento. E o seu filho, hoje, não estará alegre e feliz à mesa do almoço festivo.

Mas, eu estarei como sempre, pensando em você. E me auto-avaliando, em função dos ensinamentos de vida que você me deu, por palavras e atitudes, sobretudo, por exemplos verdadeiramente maravilhosos. Dizem que os filhos, normalmente, não querem 'repetir o papai'. Como eu gostaria de repetir você, meu pai! Eu teria orgulho de poder ser tão bom, tão trabalhador e inteligente, tão progressista e patriota, tão humilde e válido à sociedade, tão querido e respeitado, enfim, tão merecedor de carregar o seu nome.




Por isso, eu quero lhe fazer hoje, para valer enquanto eu viver, uma promessa: vou lutar até os extremos de minha força, para honrá-lo; para não deixar perecer a sua obra, senão para engrandecê-la; para preservar suas amizades, que eram seu orgulho; para manter íntegra sua família, que era a sua paixão, para ser homem e ser gente, como você sempre desejou que eu fosse.

Hoje, eu não lhe mandarei o presente tradicional, mas depositarei flores em seu túmulo e elevarei fervorosas preces ao Deus Amigo, para que o tenha na eternidade e para que um dia me dê a suprema graça de unir-nos  de novo.



quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Meu Adeus





MEU ADEUS
  poema de Idamar Caixeta Bornelli



Queridos pais, esta é a hora
Aqui deixo a minha despedida...
Agradeço o muito que fizeram
De grande e bom, em minha vida,

E estes pobres versos são lamentos
Dum coração que é partido agora.
Dele, metade a vocês se une,
Outra, comigo ir-se-há embora.

Vinte anos vivi, só de alegria
E, se hoje parto, fico aqui também
E o carinho recebido um dia
É o que levo de supremo bem!




Hoje que vou, cheia de esperança,
Sigo em busca da felicidade
Mas esta, se encontrar, será envolta
Num véu de doce e cruel saudade.

E quando a tristeza atingir minh'alma 
Relembrando meu passado aqui,
Chorarei sim, e então a calma
Virá em breve e me fará sorrir.

Pois a lembrança do que já vivi
Dar-me-há forças para prosseguir!
Hoje sou misto: dor e alegria
Sou hoje angústia e serenidade,
Hoje sou pesar e euforia,
Amanhã, eu serei, serei saudade!




E o lar que construirei lá fora
Será deste lar continuação;
E os frutos que meu amor tiver
Terão suas raízes neste chão.

Adeus, anjos queridos, na jornada,
As suas sombras seguirão comigo.
E se me ferir, um dia, a árdua estrada,
Sentir-me-ei consolada neste abrigo.





Nesta hora em que os deixo, pais queridos,
O amor mais puro no meu peito exala,
Um pesar atroz em meu peito grita;
E sinto assim que minh'alma se cala
Ante a dor cruel que esse adeus suscita!
E mal contendo nesta despedida,
As lágrimas que me embaçam o olhar,
Peço-lhes que orem pela nova vida
Desta filha que nunca os deixará de amar.



domingo, 4 de agosto de 2013

Vicente de Carvalho - A Flor e a Fonte



A Flor e a Fonte

Poema de Vicente de Carvalho




"Deixa-me, fonte!" Dizia
A flor, tonta de terror
E a fonte, sonora e fria,
Cantava, levando a flor.

"Deixa-me, deixa-me, fonte!"
Dizia a flor a chora
"Eu fui nascida no monete...
Não me leves para o mar!"

E a fonte, rápida e fria
Com um sussurro zombador
Por sobre a areia corria,
Corria levando a flor.

"Ai, balanços do meu galho,
Balanços do berço meu;
Ai, claras gotas de orvalho
Caídas do azul do céu!"



Chorava a flor, e gemia
Branca, branca de terror,
E a fonte, sonora e fria,
Rolava, levando a flor.

"Adeus, sombra das ramadas,
Cantigas do rouxinol;
Ai, festa das madrugadas,
Doçuras do por do sol!

"Carícias das brisas leves
Que abrem rasgões de luar...
Fonte, fonte, não me leves,
Não me leves para o mar!..."

As correntezas da vida
E os restos do meu amor
Resvalam numa descida
Como a da fonte e da flor...




sábado, 3 de agosto de 2013

Maiores Sonhos- O que Você Quer Fazer Antes de Morrer?

foto: Adriana Lafer


Trecho de uma reportagem da revista Bons Fluidos de abril de 2013 - por Marcel Verrumo

O que Você Quer Fazer Antes de Morrer?




.....................................................

"A pergunta que sustenta esta reportagem me fez pensar também como se sente uma pessoa que chega ao fim da vida sem ter realizados os seus sonhos. "Nessa ocasião, aqueles que realmente fazem a diferença não são ter feito uma viagem, ter construído uma casa ou ter comprado um carro. O que geralmente conta é o inatingível: é ter declarado seu amor a quem você ama, ter perdoado quem nos machucou, ser perdoado por uma pessoa que fizemos sofrer", diz a médica geriatra especialista em cuidados paliativos Ana Cláudia Arantes, do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.


Muitas vezes adiamos sonhos para atender às expectativas de quem está ao nosso redor ou os encaixamos em nossa agenda prometendo realizá-lo 'no próximo ano,' 'assim que terminarmos a faculdade,' 'quando nos mudarmos de emprego'. Inventamos datas e nunca alcançamos o que queremos.



"Para que no fim da vida você não se sinta em débito consigo mesmo, é importante que, quando chegar a noite, tenha consciência de que deu seu melhor naquele dia. No final, isso lhe dará a sensação de que fez o que pôde em cada momento. Para não nos arrependermos no leito de morte, precisamos sentir que estivemos presente em cada momento de nossa trajetória, vivendo de acordo com o que pensávamos e sentíamos e lutando pelo que desejávamos", defende a médica.



Após conversar com Ana Cláudia, percebi que refletir sobre esse tema não foi tão triste quanto parecia inicialmente, pelo contrário: a consciência da finitude despertou em mim um impulso por transformar meus sonhos em realidade. Pensar na brevidade da vida me fez retornar das entrevistas movido por um instinto de urgência ao questionamento inicial: o que eu quero fazer antes de morrer? Respondo à pergunta fazendo um convite: "Mãe, no próximo ano, vamos a Portugal conhecer a cidade onde a Vó Lu, sua mãe, nasceu?


SARTRE

Alguns pensamentos de Jean-Paul Sartre. "Falamos na nossa própria língua e escrevemos numa língua estrangeir...