segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

7 Years



Hoje vamos de Lukas Graham e sua canção 7 Years. 



Once I was seven years old my momma told me
Go make yourself some friends
Or you'll be lonely
Once I was seven years old

It was a big big world,
But we thought we were bigger
Pushing each other to the limits,
We were learning quicker
By eleven smoking herb
And drinking burning liquor
Never rich so we were out
To make that steady figure


Once I was eleven years old
My daddy told me
Go get yourself a wife
Or you'll be lonely
Once I was eleven years old


I always had that dream
Like my daddy before me
So I started writing songs,
I started writing stories
Something about that glory
Just always seemed to bore me
Cause only those I really love
Will ever really know me


Once I was 20 years old,
My story got told
Before the morning sun,
When life was lonely
Once I was 20 years old

(Lukas Graham!!!)


I only see my goals,
I don't believe in failure
Cause I know the smallest voices,
They can make it major
I got my boys with me
At least those in favor
And if we don't meet before I leave,
I hope I'll see you later


Once I was 20 years old,My story got told
I was writing about everything,
I saw before me
Once I was 20 years old
Soon we'll be 30 years old,
Our songs have been sold
We've traveled around the world
And we're still roaming
Soon we'll be 30 years old


I'm still learning about life
My woman brought children for me
So I can sing them all my songs
And I can tell them stories
Most of my boys are with me
Some are still out seeking glory
And some I had to leave behind
My brother I'm still sorry


Soon I'll be 60 years old,
My daddy got 61
Remember life
And then your life becomes a better one
I made a man so happy when
I wrote a letter once
I hope my children come and visit,
Once or twice a month


Soon I'll be 60 years old,
Will I think the world is cold
Or will I have a lot of children
Who can warm me
Soon I'll be 60 years old
Soon I'll be 60 years old,
Will I think the world is cold
Or will I have a lot of children
Who can warm me
Soon I'll be 60 years old


Once I was seven years old,
My momma told me
Go make yourself some friends
Or you'll be lonely
Once I was seven years old


Once I was seven years old




Tradução




7 Anos

Uma vez quando eu tinha 7 anos, minha mãe me disse
Vá fazer alguns amigos ou você vai ser solitário
Uma vez quando eu tinha 7 anos de idade

Era um mundo muito grande, mas pensávamos ser maiores
Empurrando uns aos outros até o limite, estávamos aprendendo mais rápido
Aos 11 fumando erva e tomando bebidas alcoólicas fortes
Nunca fomos ricos, então saímos para criar uma figura estável

Uma vez quando eu tinha 11 anos, meu pai me disse
Vá arranjar uma esposa ou você vai ser solitário
Uma vez quando eu tinha 11 anos

Eu sempre tive esse sonho, assim como meu pai antes de mim
Então eu comecei a escrever músicas, comecei a escrever histórias
Algo sobre a glória sempre pareceu me entediar
Porque só os que eu realmente amo irão realmente me conhecer

Uma vez quando eu tinha 20 anos, minha história foi contada
Antes de o sol da manhã, quando a vida era solitária
Uma vez quando eu tinha 20 anos

Eu só vejo os meus objetivos, eu não acredito em falhas
Porque eu sei que as vozes mais fracas, elas podem tornar-se maior
Eu tenho meus amigos comigo, ao menos aqueles à favor
E se nós não nos conhecermos antes de eu partir, espero ver vocês mais tarde

Uma vez quando eu tinha 20 anos, minha história foi contada
Eu estava escrevendo sobre tudo que vi diante de mim
Uma vez quando eu tinha 20 anos

Logo teremos 30 anos, as nossas músicas terão sido vendidas
Teremos viajado por todo o mundo e ainda estaremos a caminhar
Logo teremos 30 anos

Eu ainda estou aprendendo sobre a vida
Minha mulher trouxe as crianças para mim
Então eu posso cantar todas as minhas músicas pra eles
E eu posso contar-lhes histórias

A maioria dos meus amigos estão comigo
Alguns ainda estão a procurar a glória
E alguns eu tive que deixar para trás
Meu irmão, ainda sinto muito

Em breve terei 60 anos de idade, meu pai fez 61
Lembre-se da vida e então, sua vida se torna melhor
Deixei o homem tão feliz quando eu escrevi uma carta, certa vez
Espero que meus filhos venham fazer uma visita uma ou duas vezes por mês

Em breve terei 60 anos, acharei que o mundo é frio?
Ou terei muitas crianças para me aquecer?
Em breve terei 60 anos

Em breve terei 60 anos, acharei que o mundo é frio
Ou terei muitas crianças para me aquecer?
Em breve terei 60 anos

Uma vez quando eu tinha 7 anos, minha mãe me disse
Vá fazer alguns amigos ou você vai ser solitário
Uma vez quando eu tinha 7 anos

Uma vez quando eu tinha 7 anos







sábado, 14 de janeiro de 2017

EMILY DICKINSON










Afraid? Of whom am I afraid?
Not Death – for who is He?
The Porter of my Father’s Lodge
As much abasheth me.

Of Life? ‘Twere odd I fear [a] thing
That comprehendeth me
In one or more existences –
At Deity decree –

Of Resurrection? Is the East
Afraid to trust the Morn
With her fastidious forehead?
As soon impeach my Crown!


💓

Ter Medo? De quem terei?
Não da Morte – quem é ela?
O Porteiro de meu Pai
Igualmente me atropela.

Da Vida? Seria cômico
Temer coisa que me inclui
Em uma ou mais existências –
Conforme Deus estatui.

De ressuscitar? O Oriente
Tem medo do Madrugar
Com sua fronte subtil?
Mais me valera abdicar!




I’m Nobody! Who are you?
Are you – Nobody – Too?
Then there’s a pair of us!
Don’t tell! they’d advertise – you know!

How dreary – to be – Somebody!
How public – like a Frog –
To tell one’s name – the livelong June –
To an admiring Bog!

💓

Não sou Ninguém! Quem és tu?
Também – tu não és – Ninguém?
Somos um par – nada digas!
Banir-nos-iam – não sabes?

Mas que horrível – ser-se – Alguém!
Uma Rã que o dia todo –
Coaxa em público o nome
Para quem a admira – o Lodo.










sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Dinah Silveira de Queiroz








Trechinhos de Floradas na Serra, de Dinah Silveira de Queiroz, lançado em 1939. Um dos primeiros livros que li na vida:



“Cobria-se a Serra de flores.  Correu primeiro um balbucio de primavera. Seria já a florada?  Botões, aqueles pequenos sinais? No meio dos bosques escondidos entre os montes, o amarelo e o vermelho salpicavam, abriam no verde sorridente espanto. Em lugares mais resguardados, mais favorecidos, em breve surgia a neve florida cobrindo as pereiras e transformando, enriquecendo a paisagem.  E logo também floriam os pessegueiros.  Junto das favelas, nos parques dos sanatórios, rodeando os bangalôs, à beira das águas mansas, a florada em rosa e branco apontou finalmente, luminosa, irreal.

Perto do pequeno lago em que se debruçavam as pereiras alvas, encantadas, o pintor armou o cavalete.  Tocados de primavera, os galhos roçavam a água que reproduzia a fila das árvores. Amarrada à margem a pequena canoa envernizada, vazia, estava juncada de flores que o vento carregara.”



Dinah Silveira de Queiroz



Crônica escrita para o irmão: 

"Pode a gente estar velha e caduca, mas o amor de irmão conserva o seu perfume de infância através dos anos e anos. Aquela confiança que só menino tem, aquela segurança de afeto e crença na perfeição e lealdade do ser amado. Mormente irmãos com pouca diferença de idade, criados na mesma ninhada, juntos e solidários. Em nada se compara amor de irmão com amores de amantes, que em si, já são afetos tão diversos e tormentosos, são amores que consomem e desesperam.

Amor de irmão não tem altos nem baixos, é planície serena, verde pradaria que, se não ostenta orquídeas de paixão, se enfeita sempre com duráveis sempre-vivas. Amor de irmão não duvida nem desconfia, é amor dificilmente vulnerável, uma vez que jamais se desloca para a área perigosa dos outros amores. 

Nada lhe pode suscitar rivais, porque ele é único. Você pode arranjar vinte noivos, dez maridos, cem amantes, mas irmão só tem aquele ou aqueles nascidos em tempo hábil da carne de mãe e pai. Enquanto você tem irmão, você tem uma reserva de intacta meninice."



SARTRE

Alguns pensamentos de Jean-Paul Sartre. "Falamos na nossa própria língua e escrevemos numa língua estrangeir...